segunda-feira, 10 de outubro de 2011

#10

One day at a time I
Era segunda-feira, acordei sobressaltada, não sei explicar porquê. Levantei-me e preparei-me para ir tomar banho. Enquanto estava no banho, e como faço sempre, apreciei a água, talvez mais tempo do que devesse. Adoro a água. É algo que me fascina e é dos poucos sítios nos quais me sinto verdadeiramente bem. 
(...)
Ao sair do autocarro vi a Samantha, ou Sam como a trato frequentemente, quando cheguei perto dela abracei-a e dei-lhe um beijo na cara. Aquela sim era uma cara conhecida e reconfortante. Um simples olhar bastou para que ela percebesse que alguma coisa não estava bem. À medida que um “o que se passa” lhe saia da boca várias lágrimas começaram a escorrer pelo meu rosto. Ela olhou para mim e sem dizer nada abraçou-me fortemente. Aquele abraço já me havia reconfortado e feito sentir melhor um número quase incontável de vezes… Existem poucas pessoas que conseguem ter este efeito em mim. Quando chegámos à escola ambas sabíamos que iria ser um dia difícil. Ela deu-me a mão e entramos juntas na escola.
"É só mais um dia, força" disse-me com um enorme sorriso.
(…)
Cheguei a casa já cansada, tinha tido educação física e esta tinha vindo a revelar-se uma disciplina muito cansativa desde que o professor Ricardo tinha entrado para a escola. Ele puxa imenso pelos seus alunos, não nos deixa desistir. Apesar do esforço enorme que me era exigido por ele, este seria sem dúvidas o melhor professor que já tinha tido na minha vida. A Sam tinha-me acompanhado a casa, sendo ela a minha melhor amiga, já me conhece bem e sabe quando são as alturas em que, se não tiver o apoio dela, me vou abaixo. A minha família nunca foi muito o meu suporte, e os meus 12 anos de amizade com a Samantha são muitas vezes a única coisa que me dá força para continuar.
Aparentemente eu sou uma rapariga normal, tenho o cabelo castanho claro, quase loiro, e olhos castanhos, sou uma rapariga comum, não tenho beleza digna de capa de revista mas também não estou descontente. Aquilo que me difere das outras raparigas, ainda estou para lhe descobrir o nome. Penso que sofra de algum tipo de síndrome da rapariga-estupida-que-acredita-em-tudo-o-que-lhe-dizem. Acredito que exista um nome para isto, uma vez que isto é o século 21 e não acredito que seja a única a ser dona de tamanha ingenuidade.
Acho a minha condição, a de ingénua, um pouco confusa, nunca tive grandes bases de confiança na minha família, o meu pai nunca foi fiel à minha mãe, e o meu irmão, Graham, desde que me lembro, sempre saiu pela janela sem autorização. Eu não cresci numa família normal em que o pai chega do trabalho, cumprimenta os seus filhos e se senta na mesa para jantar, jantar este que havia sido feito com muito carinho pela mãe, e que os filhos têm excelentes notas. Eu não, eu cresci numa família em que quando o pai chegava a casa, já de madrugada, na maioria das vezes, não tinha pressa de ir ver os seus filhos, e que o jantar era, quase sempre, take out.
A minha vida sempre foi diferente.


 O que acham? Na sondagem pediram uma história!
E aceitam-se sugestões para títulos!

5 comentários:

Cassandra disse...

Um começo banal, nada de especial. Na verdade, a típica história. Agora, o que me prendeu foi a tua frontalidade e o uso que deste ás palavras, isso foi o que me levou a ler até ao fim do capitulo. É um primeiro capitulo e nunca se conhece saber muito. Espero o 2º para assim te dar uma opinião mais argumentada e incito-te a continuares .. la por ter te dado uma crítica menos positiva não significa que desistas de escrever , até porque (admito) fui uma das pessoas a pedir uma história! agora usa a tua imaginação e força nisso ;)

Beijo, Cassandra
ps: espero não ter transmitido superioridade! Quem sou eu para criticar e achar-me melhr a escrever ou assim? Foi apenas uma opinião, espero que não leves a mal!

claudiagomes. disse...

Os teus elogios são sempre tão bons e fortes. Sinto-me bem ao saber que gostas assim tanto da minha escrita.
Desculpa, não dar opinião sobre a história mas muito sinceramente não gosto de história minha linda!

R* disse...

Obrigada princesa, muito obrigada mesmo! :)

Cassandra disse...

Ainda bem que aceitaste bem, assim é que se evoluí ;) Entao espero pelo próximo capitulo!

Beijo Cassandra

łnn Gray ۞ disse...

Obrigada!
Deixaste o primeiro capítulo em aberto, por isso quero saber o que se vai passar :D